sexta-feira, fevereiro 04, 2005

Copiar não é normal

Li numa publicação recente da Universidade do Porto (UP) que um aluno da UP que estava a frequentar um programa de intercâmbio na Universidade de Helsínquia, foi apanhado com material destinado a copiar no início do exame. Esta situação levou a universidade filandesa a rescindir o acordo de mobilidade que mantinha com a UP. Sem direito a recursos.
Na sua homepage eles têm uma frase simples: "cheating is strictly forbidden".
Embora a maioria dos portugueses encare com tolerância, normalidade e até como motivo de orgulho o acto de copiar (que poderiamos alargar ao hábito de não respeitar as regras em geral: não cumprir o código da estrada, não pagar os impostos, ...) tal não se verifica nos outros países, especialmente os nórdicos.
Mas qual é o mal de copiar? Quem eles estão a prejudicar? Na prática todos. Quem copia é prejudicado porque embora tenha algum benefício a curto prazo, a longo prazo irá sentir falta do que deveria ter aprendido; é uma injustiça para os colegas que vêm as suas notas desvalorizadas pelos que copiaram ((in)felizmente a maioria dos que copia é tão burrinha que mesmo copiando pouco mais consegue do que "passar"); a sociedade que vê o seu sistema de avaliação e o sistema educativo desacreditado, no qual não há recompensa a quem estuda (faltando a tão falada cultura de rigor e exigência) e que depois vai empregar jovens que apesar de terem um "canudo" estão mal preparados em termos de conhecimentos e principalmente em termos de atitudes.
Solução: é preciso generalizar a noção que não é correcto copiar e as instituições escolares castigarem sem receio os prevaricadores.
Mesmo quando os amigos falam "daquela vez em que consegui copiar tudo" com um misto de orgulho e de troça é preciso não ter vergonha de expressar a nossa diferença. Que é que fariam se alguém dissesse que a homossexualidade é um doença, que os pretos são todos uns ladrões ou que tinha conseguido forçar uma jovem rapariga a ter relações sexuais? Tendo noção que são questões de âmbitos e impactos diferentes, são tb ideias que de certa forma já foram compartilhadas por uma parte importante da população e que com o tempo e a mudança das mentalidades (quase) desapareceram.
Eu quero colaborar nesta mudança de mentalidades defendendo aquilo em que acredito: não se deve copiar.

Comentários:

Concordo que quem for apanhado a copiar seja punido! Concordo que é injusto para os outros! Mas há alguém que vendo-se aflito e, tendo a oportunidade, não ouse cometer o "crime"? Gostava de saber qual o tratamento que os nórdicos dão aos próprios alunos quando são apanhados! Ou vão-me dizer que nenhum copia? Se calhar também não tiram fotocópias, compram livros de 100 euros por causa de uma cadeira semestral, e já agora ninguém ultrapassa os limites de velocidade, e compram os programas todos de computador... As influências desse aluno português teriam consequências nefastas na cultura nórdica! Acabam-se com os intercâmbios! tá feito!  

"(in)felizmente a maioria dos que copia é tão burrinha que mesmo copiando pouco mais consegue do que "passar""
HÃ?! Olha que não! e quem foge aos impostos também são os coitadinhos q ganham o ordenado mínimo? :) até te podia relembrar um caso, (bastante publicitado) de "resolução colectiva" no exame de acesso à especialidade deste ano, que pelos vistos deu "grande resultado".. é caso para dizer "em terra de gente com olho, quer for cego é enrabado"
PS - Oh! Chico eu concordo com o q disseste sobre copiar, mas como pediste "luta" nos comentários... :)
CrisVSousa  

Acho que é um acto de coragem e tb muita lata copiar... Nunca o consegui fazer porque acho que devemos fazer apenas aquilo que sabemos e não nos enganarmos a nós próprios...  

Eu cá nem me lembro de copiar quando estou a fazer um teste! Primeiro, porque a maioria (quase todos) dos testes, freuências ou exames que a gente faz na nossa faculdade são orais. Portanto não há mesmo hipótese. Nos poucos testes escritos, estou tão concentrado no que estou a fazer (muitas vezes é só borrada, mas pronto) que nem consigo tirar os olhos do papel! Mas no secundário há sempre aqueles testes "em grupo" em que basta uma pessoa saber a matéria para a turma toda saber! ;) Bons tempos, bons tempos...  

Acho que estes comentários traduzem bem a "moral dos brandos costumes" dos portugueses, onde copiar é "desculpabilizado" e só quem não o faz é que é burro... Enfim, tal como tu acho que "copiar" é um acto falso e condenável... e se um dia apanhar um filho meu a copiar - fica de castigo!
Mas a mentalidade é sempre a mesma... É por isso que os jogadores de futebol se "atiram" para a piscina, que fugimos aos impostos (todos... qual de nós nunca comprou nada sem factura), que andamos no excesso de velocidade suficientemente baixo para não sermos multados e tantos outros exemplos!
Pode ser que daqui a uns anos venhamos a ter uma mentalidade mais "obtusa" - como dizem alguns - e sejamos mais parecidos com esses nórdicos, coitados que têm sociedades altamente evoluídas!  

a notícia de O Público não explicita culpas, e o aluno parece que contestou a mesma. Claro que eu não concordo com a cópia. Não copiar deve nascer de dois respeitos, o por si próprio e o pela instituição em que se está a aprender. Tiremos agora as conclusões...  
Enviar um comentário

«Inicial