sexta-feira, setembro 23, 2005

Fim...

Não, não é o fim do blog... para já!!!

O Internato Geral está a terminar... e para sempre. São estes os últimos dias do Internato Geral, que não será mais realizado por nenhum jovem médico. Agora chama-se Ano Comum e de 18 passou para 12 meses, antes de iniciar a formação de "especialidade".

Foram 18 meses (na verdade 21, devido ao "prolongamento") na sua maioria produtivos e nos quais aprendi muito. Essencialmente a nível de atitude e responsabilidade. Aprendi que a Medicina não é só o que vem nos livros, não é só a evidência científica... A Medicina são as pessoas, os que sofrem, os que lutam dia-a-dia contra a morte, os que aprendem a valorizar a vida e a saúde... E é por estes que vale a pena tanto esforço... Tantas horas de trabalho, tantas "urgências" intermináveis, tantas faltas de respeito e educação, tantas críticas infundadas, tantos insultos e descontentamento, por parte da população menos "dotada" culturalmente (e não falo de inteligência, nem de sabedoria, nem de classes sociais... falo apenas de educação...).

E é também por tudo isto que vale a pena aturar as "imbecilidades" do Ministério da Saúde. Como se já não chegasse estarmos num período de transição da formação Médica pós-graduada (decidida corajosamente pelo Governo anterior, depois de cerca de 20 anos de comissões e grupos de reflexão e que, na minha opinião peca apenas por ser pouco radical - mas talvez fale disso num outro dia...), somos confrontados com a mais absoluta "incompetência" (e isto apenas para não acusar alguém de propositadamente favorecer uns em detrimento de outros...) do Ministério da Saúde.
O exame que decide toda a vida de um médico, foi marcado tarde e a más horas (com menos de 3 meses de antecedência, quando o "período mínimo de estudo são 6 meses), o mapa de vagas publicado era uma anedota (de mau gosto), com uma clara assimetria nacional a favor das vagas do "sul" (leia-se Lisboa e Vale do Tejo), esta anedota foi ainda transformada em "pesadelo" com alterações (para pior obviamente, com a retirada de vagas de especialidades muito desejadas), a uns escassos 3 dias úteis da data de escolha de vaga.
E ainda por cima, é suposto começarmos o internato de especialidade na próxima segunda-feira, mas ainda não foi publicado o mapa de colocação definitiva e ainda não nos foi comunicado absolutamente nada acerca do inicío do Internato Complementar... Enfim, ou a incompetência é muita, ou existem interesses obscuros e tentativas de ocultação de "fraudes"... apesar de tudo, prefiro acreditar na 1ª hipótese...

Quanto ao meu "último dia" como Interno Geral: serviço às 08h, visita aos doentes até às 09h, duas altas; às 10h no bloco. Até às 13.30' três cirurgias, com o tempo cirúrgico total de 40 minutos... o resto passado a preenhcer papeis e a esperar que as salas de bloco ficassem prontas para receber novos doentes. Às 13.45' colocar catéter central num doente que o tinha arrancado durante a noite. Introdução complicada (mesmo para o Especialista que o acabou por colocar), até às 14h30. Re-internamento de uma das altas por evisceração (saída para o exterior do conteúdo da cavidade abdominal) após ter retirado os pontos. Ajudar a encerrar a parede... Lá pelas 15h30 preencher a papelada do re-internamento. Às 16h carregar aí uns 15kg de processos clínicos para rever no fim-de-semana e finalmente sair para almoçar... E só me dizem que daqui para a frente vai ser pior...
O que vale é que desta vez, tenho o fim-de-semana livre... e fui dos últimos dos internos gerais...

Comentários:

Este país é realmente uma maravilha nessas coisas! Vou agora para o primeiro ano de Medicina (finalmente) e ainda tenho a vaga e ingénua esperança de que quando chegar a minha vez, as coisas estejam mais ou menos organizadas (já nem digo bem organizadas porque enfim, isto é Portugal).
Gosto das coisas que escreves e espero que continues a contar muitas coisas porque adoro ler este blog!
Boa sorte nesta profissão e em tudo o que ela te vai trazer!

Beijinhos  

Felicidades para a nova etapa e já agora até já podiam escrever mais, principalmente o Desterrado de Lamego!!!
Sim, o McCap que gasta o tempo todo num jogo qualquer Warcraft não sei das quantas...

Abraço da Zona Franca  

Bem, tou a ver que foi um ano duro... Realmente, tudo isso se deve a falta de educação e de respeito pelo trabalho das pessoas. Depois queixam-se de falta de médicos. Contudo, espero que os fins justifiquem os meios, e que todas esta fase menos boa se traduza em anos e anos de um óptimo trabalho, com muitas e boas recompensas!
Continuação de um bom trabalho, e bom fim-de-semana de descanso!

*Beiju*  

Estás com sorte que eu no Domingo ainda vou fazer urgência já que ninguém me soube dizer se a tinha que a fazer ou não.
Em relação ao IG, com todos os problemas que tem, permitiu-me pelo menos integrar a verdadeira medicina, e me tornar, agora sim, num "Médico".
Um abraço  

Adeus VELHO, bem vindo  

O curso de medicina ainda não está pronto para que os que o acabam exerçam autonomamente a profissão. No entanto é importante adaptarmo-nos ao que se passa fora das nossas fronteiras, e o fim do IG vai de encontro com essa necessidade mas tem que ter outros suportes que ainda não existem (leia-se mais prática dos alunos).

Em termos de má educação os piores são mesmo os do ministério da saúde que ainda não conseguem abrir os olhos e ver que a falta de médicos é virtual. Devido a esta ceguira, continuam-se a atolar faculdades com caloiros e a degradar a formação. Como se não fosse suficiente esquecem o país (como nos restantes temas políticos) para se produzir para lisboa. Por isso começo a ficar cansado de viver em Portugal e de ser português (por muito que me custe abandonar a minha pátria). Sei que pareço fraco ao dizer isto e que deveria lutar pelo contrário, mas já me sinto muito cansado de estar a remar contra a maré...
É pena só haver um Pinto da Costa, com dois ou três podiamos endireitar o país.  
Enviar um comentário

«Inicial