sábado, dezembro 31, 2005

Saudades...

Pois é... Com esse sentimento tão português que hoje me sinto...
Destinado a trabalhar estas 24h num hospital semi-deserto e assim terminar o ano que acaba e começar o novo ano, da mesma forma que nestes meses todos que tenho andado ausente destas lides: a trabalhar...
Não foi por me zangar convosco amigos leitores que deixei de aqui vir. Simplesmente o início de uma especialidade com todas as responsabilidades e aumento de "expectativas" que isso traz, tem-me obrigado a não conviver convosco. E, apesar de não serem muitas as mensagens recentes, também elas mereceriam algumas "respostas"... mas não é assim que quero terminar o ano de 2005, o ano em que me tornei Médico (com M maiúsculo - repararam?) e que iniciei esse (outro) longo caminho que é o de me tornar Cirurgião!
A todos os que por aqui passam (ou passavam e deixaram de passar por se sentirem abandonados), os meus desejos de um excelente ano de 2006!!! E que continuem a passar por aqui. Partilhem connosco as vossas mágoas e alegrias. Prometo que apesar de o ritmo de trabalho se vir a tornar ainda mais intenso, tentarei manter contacto e "despejar" (ou será despojar?) aqui algumas das coisas que me vão na alma. Espero que este blog possa crescer e amadurecer com a vossa colaboração e que se mantenha como um blog feito por Médicos (e futuros) para todos, onde não se fale só de Medicina (apesar de contarmos algumas "histórias"), mas onde se possa partilhar a nossa opinião sobre todos os temas que nos inquietam, exultam ou simplesmente nos "intrigam".
Como diria alguém que conheço... Um bem-hajam para todos vós. Desejo que o "nosso" blog, possa vir a ser a companhia (quase) diária de todos nós!!!

Comentários:

Ola!keria desejar-te 1 bom ano 2006!!!e tb dar os parabens pelo teu blog!!!

este ano foi a primeira vez que tive nas urgencias dos HUC na passagem de ano!axas mesmo k tavam poucas poucas pessoas?em coimbra n axei!!!mesmo doentes ainda...ia xegando sempre alguem!!!e principalmente durante a tarde os medicos tiveram sempre "mt trabalhinho"!!!

bjinhos pukanituh  

desejo-te um ano de 2006 recheado de coisas boas para ti e de belas histórias na tua vida profissional. Espero também que esta nova especialidade te traga tudo aquilo que desejas, sucesso e também que possas ajudar as outras pessoas a ter um ano ainda melhor. bjinhos*  

essa do "sentimento tão portugues..."

mesmo assim bom ano.e o blog esta muito interessante.parabens.ate mesmo pelo look-tipo receita...gostei  

Aquele abraço de bom ano da Zona Franca  

Vim cá ter através do blog "desabafos de um medico", e tb gostei imenso do teu blog. Segundo algumas leituras, apercebi-me que serás do Norte, quem sabe mesmo do Puorto, carago!
Boa sorte na especialidade que escolheste... fiquei sem saber qual era.
http://sunshine.blogs.sapo.pt/  

Olá
Espero que cá venhas mais vezes contar as tuas aventuras.  
Enviar um comentário

«Inicial

sexta-feira, dezembro 30, 2005

Porque estes casos devem ser denunciados

Internato voluntário de oftalmologia é utilizado por uma das mandatárias do Cavaco- tanto quanto sei algo ilegal, em que uma pessoa entra na especialidade que quer, no sitio que quer com a única contrapartida de não receber salário durante o internato. É uma outra forma de comprar vagas. Espero que a OM não a reconheça.

Comentários:

Se é de facto verdade, é absolutamente escandaloso!!! E, obviamente, algo deve ser feito (agora ou mais tarde - como se costuma dizer Deus escreve direito por linhas tortas e se a OM não a reconhecer será isso uma forma de justiça). Mas tb convém dizer que segungo o MEMI a notícia vinha no 24 horas e, como tal, pode não ser totalmente verídica. Para além disso ela é fadista por isso o mais provável é q nunca venha a exercer.
Ainda por cima, oftalmologia é das especialidades que têm uma média de nota de entrada mais alta, o que ainda faz com que a injustiça pareça maior...  

esse modo de acesso à especialidade, para o qual reclamas justiça, é tanto quanto sei legal e está previsto (embora quase ninguém tenha conhecimento de tal possibilidade). Pelo que sei é o director de serviço tem que comunicar que tem capacidade para formar mais um interno (que como é extra concurso não é remunerado). Findo o internato, para que a especilidade seja reconhecida tem que ser realizado um exame pela ordem dos médicos (e não pelo serviço).  

...e é possível, pelo menos desde 1976...
bom ano  

aparentemente, deixou de ser legal desde que estrámos na união europeia. e o colégio da especialidade pode sempre não dar equivalencia no fim da dita. o que se está a ver que nao vai acontecer...  
Enviar um comentário

«Inicial

quinta-feira, dezembro 29, 2005

A nova regionalização...

A regionalização tal como foi apresentada aos portugueses não foi aprovada em referendo. Também era isso que interessava aos políticos! Pois verificamos que tem havido uma regionalização de Portugal desde há vários anos para cá. Essa iniciou-se com a negligenciação do interior do país e prolonga-se, actualmente, com o desinvestimento no Norte.
Os casos da Ota, do TGV e do metro do Porto são dos exemplos mais mediáticos desta situação de mega-centralismo nacional. Contudo não se vê o governo a defender qualquer empresa que não aquelas da região de Lisboa e vale do tejo. Pois assim não é estranho que nesta zona se crie mais riqueza a cada ano que passa...

Comentários:

O que não pode acontecer é substituir-se o centralismo de Lisboa por um neocentralismo nortenho sediado no Porto - uma cidade que faz queixa de Lisboa, mas imita os tiques centralistas da capital no que respeita à região Norte.  
Enviar um comentário

«Inicial

segunda-feira, dezembro 26, 2005

Surpresa de Natal

Estava eu a fazer 24h de SU na noite da consuada e por volta das 22h, tendo acabado de dar alta a mais uma das "cai há 3 dias e agora está me a doer um pouco as costelas", volto-me para a próxima ficha. Tinha sido triada como amarela e estava há espera há 20 min. Era um doente transferido de outro hospital cuja nota de transferência referia que tinha uns antecedentes quaisquer (nada de relevante), tinha estado internado por patologia ortopédica (já não me lembro bem o que era), que durante o internamento tinha feito um AVC, tinha tido alta e voltava por edema dos membros inferiores e que o doente era transferido porque eles não tinham ninguém da Cirurgia Vascular e dizia "Análises, ECG e TAC toraco-abdominal em anexo" (este sem relatório). Fui ver o doente e era um senhor com 75 anos,que estava acompanhado pelo filho (tendo sido ele que o tinha trazido do outro hospital) e referia dor moderada abdominal e na região dorsal e edema dos membros inferiores, não sabendo explicar muito bem porque tinha sido transferido.Tinha tensões tipo 100/60, ACP sem alterações significativas, um abdómen muito dilatado, tenso não se conseguindo palpar nada, exame físico das costas não revelava nada de especial e tinha realmente algum edema dos MI sem ser nada de especial. Vou ver as análises e tinha uma anemia normo/normo com Hb de 9.5, ligeirissíma leucocitose, PCR de vinte e poucos e nada de especial no resto dos exames "chapa". Olhei para o ECG e não vi nenhuma alteração e depois olhei para o TAC: a primeira coisa que vi foi um derrame ligeiro à esq e depois no abdómen tinha o que me pareceu colecções de liquído livre/abcessos. Ainda ia a meio das imagens quando passa o colega da Radiologia no corredor e como ele é impecável chamei-o para me vir dar uma ajuda. Ele olhou para as imagens 1 minuto, começou a ficar com uma cara preocupada e depois disse: "Mas... esta aorta está rota!". Corremos para falar com os colegas da Vascular que afinal já tinham sido contactados por causa desse doente e estavam à espera dele. Ele foi logo operado e quando sai da urgência estava bem.
Como é possível que um doente com ruptura da aorta abdominal: seja transportado entre hospitais em carro próprio, na nota de transferência não fazer qualquer referência à patologia major do doente, não dizer nada ao doente; Assim obrigaram-no a passar pela triagem, estar à espera da sua vez de ser atendido e demorando-me a mim mais 10 minutos até me aperceber da patologia do doente.

Comentários:

É tão mau como deixar um doente assinar um termo de responsabilidade e não o conseguir convenser a deixar-se ser operado a um carcinoma gástrico. Tudo isto porque esteve a ser estudado (sem ser alimentado) durante 2 semanas. Durante esse período também não foi devidamente informado sobre a sua patologia.  

Estamos em Portugal! Que é que se pode fazer? Neste país é tudo assim...  

Jasus!!!

Abraço da Zona Franca  

Final feliz, esperemos. E os que não têm a sorte de o "apanhar" a si?  

Louvável pois a sua atitude ó Francisco. Mas é claro que não fez mais do que a sua obrigação. Cumpriu o seu dever.

Da leitura do post fica-se com a impressão que houve algum tipo de má prática. Pergunto eu agora: para além de escrever no blog fez algum tipo de participação oficial? Contactou o Hospital de Origem a inteirar-se do sucedido? O doente terá mesmo sido aconselhado (obrigado) a viajar na viatura do filho ou terá sido esta a sua (ou do filho) opção? Comunicou ao Chefe de Equipa? Ou à Direcção do SU? ou à Ordem dos Médicos?

Pois...  

Tens razão Avicena. Dessas todas só falei com o chefe de equipa e foi mais um desabafo que propriamente uma queixa formal.  
Enviar um comentário

«Inicial

sábado, dezembro 17, 2005

Mais uma imperdível

Comentários:

Realmente a discução das cruzes não é nada. Até o benfica (que tem muito mais tempo de antena que os outros clubes todos juntos e é muito mais benificiado por todas as instâncias) deve ser pequeno (6 milhões?!?! não é????).

Há gente que se lembra de cada uma...  

Está é do melhorio...E ainda se falam das 1000 e tal religiões americanas, cada qual a seu gosto...
Não querendo desdenhar na viçosa Salma, podiam ter escolhido umas maminhas melhores!

Abraço da Zona Franca  

Enquanto provo o bolo que é rei, aproveito para desejar umas Festas muito Felizes.
Que a "doçura" deste Natal seja "fermento" para um 2006 cheio de alegria e sucesso.  

Muita Paz, muita Saúde, Felicidade e Amor no coração.
E que no ano que se inicia, possamos estar novamente juntos.

São votos sinceros da Matilde, Ligia e Miguel Brito
Destes vossos Amigos de e para Sempre ...

PS: Não te esqueças de votar no Selo dourado do Blogstars
È Fácil é só clicar e votar em http://blogstars.ig.com.br/  

Méri Kristmas do Freddy, do Pingú e da Zona Franca!!!  
Enviar um comentário

«Inicial

domingo, dezembro 11, 2005

Primeiro umas cruzes depois todo um calendário

Há poucos dias ouvi que o governo havia mandado retirar todos os crucifixos das salas de aula, das escolas públicas. O motivo era o cumprimento da constituição. Esta notícia ficou-me na cabeça até que alguém a comentou comigo. Agora deixo aqui algumas das reflexões que tivemos.
Portugal é um país laico. Significa que não tem qualquer religião definida como oficial.
Estará isto correcto?

Sendo um país laico esta medida faz todo o sentido.
Mas será que devemos enterrar assim todo um passado, rico e vasto, que tivemos?
Os nossos reis foram devotos a Deus (o Deus da religião católica romana). Muitos mandaram erguer monumentos, hoje em dia visitados por milhares, como gratidão, promessa ou devoção. Outros instituiram dias para recordar as suas padroeiras, como por exemplo o são os dias 15 de Agosto (dia de Nossa Srª Assunção) e 8 de Dezembro (dia da Imaculada Conceição). Houve até um que coroou Nossa Senhora como rainha de Portugal (precisamente no dia 8 de Dezembro).
Todo o calendário, pelo qual nos regemos, está adaptado à religião católica. Para além dos feriados já mencionados também temos "férias" no Natal, Páscoa e Carnaval. Estas também devido à "igreja".
Vamos agora imaginar a nossa vida sem "cruzes nas salas":
não festejamos o natal (o que até era bom para poupar uns trocos que a vida tá cara), nada de páscoa e as fantasias do carnaval também podiam ficar no armário. Para além disso havia mais dois dias para trabalhar (pelo menos, pode haver ainda mais se contarmos com o S João, Sto Antónia e S Pedro), que são o 15/8 e 8/12.
Se bem que já houve um candidato a presidente da república que quis acabar com o Carnaval. Bem agora que começamos a dar os primeiros passos é capaz de ser mais fácil.

Cá por mim deixava ficar as cruzes nas salas e considerava Portugal como um país católico. Quanto mais não seja devido a uma questão histórica, mas também porque somos muito influenciados pela igreja e vivemos muito com a religião (basta ver as enormes multidões que se movem quando o Papa João Paulo II cá veio).


P.S.1: não fiz referência ao dia 1 de Janeiro que embora pense ser um feriado religioso não sei precisar qual.

P.S.2: considero o Carnaval como festa religiosa porque a sua data varia consoante a da Páscoa, também não sei porquê.

P.S.3: considerar Portugal como um país católico não significa fechar as portas a indivíduos de outras religiões ou impedir o culto dessas em solo nacional.

Comentários:

Ora, não podia estar mais em desacordo (e eu nao sou nada anti-clerical, apesar de também não ser católico) - a questão das cruzes prende-se com o facto de as escolas serem pagas por todos e, portanto, não deverem ter símbolos religiosos de nenhuma religião. Mas quanto aos feriados - de facto o carnaval é uma festa pagã, o 24 de Junho e de Dezembro também - se não fossem feriados religiosos poderiam sê-lo por se tratar dos solistícios de verão e de inverno. E, já agora, o Dia 1 de Janeiro, dia de S.ta Maria (acho) também é o dia Mundial da Paz (causa nobre para feriado, suponho) e teríamos muito mais que festejar enquanto cidadãos sem precisar de feriados religiosos - mas atenção - não me importo que haja feriados religiosos dada a maioria da população portuguesa afirmar-se católica (porque se são, deixam muitas dúvidas...)  

Deviam tornar 6 de Janeiro feriado! Assim não tinha de ir à escola no dia dos meus anos! Quanto a Portugal tornar o católico como... "religião oficial", discordo! Nem todas as pessoas que nasceram em Portugal são católicas (por exemplo eu, embora não tenha outra religião).  

eu axo k ja s ligou mais a religiao... cm pais laico k é... tem a sua parte de razao em tirar as cruzes das salas, mas é de todo radical abolir feriados e festas... visto que os portugueses são, ou dizem ser, na sua maioria catolicos.
Tambem está abrangido por lei que pessoas de outros credos religiosos gozem os feriados quando os teem na sua crença... Acho que é radical demais acabar com tudo!(ate pk mta gente iria protestar, nao por ser religiosa, mas porque gosta das feriazinhas e das prendinhas e etc)  

Pois como todos vós dizeis a maioria dos portugueses é católico ou identifica-se com a religião católica. Se a maioria é católica (e estamos a falar de uma grande maioria) qual é o problema de considerar Portugal um país católico (e isto apenas pensando no presente).
Porquê tirar as cruzes se a maioria que paga os impostos até é a favor da religião católica? Isso é estar a priviligiar as minorias em relação à maioria...  

O problema de se afirmar q o estado é laico é q dp começa-se a pensar em monumentos nacionais e afins... Tb se tiram de lá as cruzes???
De uma forma ou de outra, para crentes, não crentes ou crentes de outros credos, a religião cristã (católica já é mais discutível especialmente pq portugal não era um país extremamente ortodoxo na idade média) moldou a forma de pensamento da nossa sociedade e tb a nossa cultura nacional. E como o osso disse: estaria-se a pôr a minoria em frente da maioria.

Mas tb não se preocupem, os bispos já vieram dizer que para eles tanto lhes faz :P  

Sem ser fundamentalista da questão, acho que as cruzes não aquecem nem arrefecem. Eu pessoalmente sou católico (praticante na medida do possível...)e não me causa nenhum tipo de confusão que tirem as cruzes das igrejas, honestamente como pessoa, incomodou-me muito mais a proibição de utilização de véu nas escolas francêsas, isso sim um verdadeiro atentado à religião. Incomoda-me muito mais a verdadeira razão que estará por trás de tamanha exigência. Como alguém disse há uns dias atrás: "ainda não vi ninguém a insurgir-se tão veementemente contra a panóplia de símbolos maçónicos que estão espalhados por todo o lado. Note-se que os símbolos maçónicos também não me incomodam. Incomoda sim é o falso moralismo e pseudo-rectidão de pensamento de alguns que exigem (mais)liberdade e que no fundo são mais ditadores por imposição que outros que criticam.  

Acho muito bem que se tirem as cruzes. Esta decisão foi tomada após a reunião dum grupo de sábios. Concluíram que eram as cruzes que impediam melhores resultados nas escolas. A seguir, vão impedir os capelões nos hospitais. As campas e jazigos nos cemitérios serão laicos.  

A posição da Conferência Episcopal Portuguesa é de certa forma surpreendente e recebe todo o meu apoio. De facto, está em consonância com os valores da Fé Cristã (que eu nao professo, mas conheço). As escolas em que haja pessoas incomodadas com as cruzes devem retirá-las. As outras devem mantê-las!  

Os crucifixos nas salas de aula implicam que todos os alunos, sejam católicos ou não, os aceitem.
Os feriados religiosos apesar de serem para todos, só são celebrados ( no sentido religioso) por quem quer.
Para mim, cruxifixous nas salas de aula ou não, são pormenores irrelevantes.  

Não vou entrar na polémica mas apenas queria deixar uma pequena correcção:

A "Imaculada Conceição" de 8/Dez não se refere a nehuma padroeira de nome conceição!!

Tal designação deriva apenas de "Imaculada Concepção". Pois é! No dia 8/Dez o que os católicos celebram é nem mais nem menos do que a gravidez da Virgem Maria, gerada pelo poder do Espírito Santo e portanto sem mácula.

Talvez alguns se recordem de o dia da Mãe ter sido celebrado durante muito tempo a 8/Dez.  

A evitar cuidadosamente: a ditadura da maioria...  

Continuando a correcção...

A "Nossa Senhora Assunção" adivinhem...Não! Tb não é nenhuma senhora Santa de nome Assunção!

Para esclarecer talvez valha a pena recordar "Assumpta est Maria, in coelum, gaudent angeli!" Ou seja "Maria foi levada por Deus, em corpo e alma, para o Céu. E os Anjos rejubilam!"

Pois é! O dia 15/Agosto celebra a Ascensão de Maria (de corpo e alma) levada por Deus para os Céus. É o dia em que os católicos celebram a glorificação de sua Mãe, Maria.

Obrigado e que Deus (seja Jeová ou Alá) vos abençoe...  

E porque motivo deverão lá estar? Nesse caso deviam rezar como antigamente logo de manhã! Sou católica e acho que como país laico, em Portugal deverão existir igrejas, templos hindus, sinagogas etc. As pessoas deverão ser livres na escolha ou ausência de uma religião e não "forçadas" a conviver com a predominante.
E concordo com a retirada dos véus das escolas francesas. Chega de fanatismos! Eles deverão cumprir as regras e celebrar a sua religião no local apropriado a cerimonias islâmicas tal como nós as celebramos na nossa igreja.
Uma coisa é a religião e outra o dever escolar, laboral etc, onde todo o tipo de pessoas de paises, cores, religiões e culturas convivem por um fim comum (aprender, estudar, trabalhar...).  

O william lembra e bem a questão da ditadura da maioria! O facto de a maioria professar não quer dizer nada - as escolas públicas são pagas por todos. Os que professam e os que não professam.  

As polémicas deste país estão cada vez melhores...Não há pachorra!

Saudades da Zona Franca que hoje faz 2 anos...Parabéns a nós!!!  

ANTES QUE ESQUEÇA:
Bom Natal para "Vokza Ekslênzia" e sua família, patrões, credores e devedores, policias e ladrões, filhos e avós, escribas e leitores - leitores deste superblog.
Muitas rabanadas, fritas, filhós, mexidos, e outras lambarices!!
E um BOM sorriso durante os 365 de 2006.  

Cruzes nas escolas: acho muito bem que se tirem sem ser um assunto deveras importante - neste ponto a igreja foi sensata em não se opor
Portugal é um pais laico: não pode ser de outra forma. A religião é algo pessoal e não institucional. Imagina que por haver 6 milhões de benfiquistas em Portugal(??!!), Portugal era um país benfiquista e em todas as salas havia um cachecol do benfica! Ou que a programa televisivo oficial do estado era a 1ª companhia! São escolhas individuais que não faz sentido o estado tomar posição independentemente do nº de pessoas que as têm. Além disso tenho dúvidas que a maioria dos portugueses sejam católicos. A maioria teve educação católica, mas julgo que a maioria não vive a religião no seu dia-a-dia.
Feriados: Na minha opinião temos feriados a mais (o 15/08 e 08/12 deveriam desaparecer já que para a maioria dos portugueses, mesmo dos supostos católicos não significam nada, excepto dia livre). O carnaval, 1/Jan e os feriados municipais não são religiosos (apesar destes últimos poderem coincidir no dia do patrono da cidade). O natal é uma festa religiosa (embora inicialmente até fosse pagã), mas é muito mais do que isso, é uma tradição secular de juntar a família (que infelizmente inclui a tradição cada vez mais comercial das prendas).  
Enviar um comentário

«Inicial

sábado, dezembro 03, 2005

O povo que "limpe" o que os lordes sujam

Todos nós somos afectados pela poluição. Uns mais do que os outros. Mas aqueles que mais penalizados por esta praga serão os nossos filhos, netos, etc.
Estamos numa época de apertar o cinto. Já tivemos que fazer mais alguns furos pois todos os que ele tinha não eram suficientes. Mas no que diz respeito a atitudes a tomar para diminuir as dívidas do estado, foram poucas as que ouvimos da boca do sr Primeiro Ministro (para além de nos mandar trabalhar mais e de contratar menos pessoal; ou seja aumentar o desemprego, contrariando as suas promessas eleitorais). Mas se pensarmos que Portugal assinou um protocolo em Quioto vamos ver que mais uma vez será o povo a pagar a vida dos lordes. Pois são os lordes que mais poluição provocam e mesmo assim passam imaculáveis após esses atentados.

Quem é que paga coimas por poluir mais do que deve? Ninguém

Quem é que vai ter que pagar a factura assinada em Quioto? O estado (ou seja, todos nós).

Comentários:

Tb concordo. Ou alteramos depressa os nossos habitos ou furacões e outros desastres ambientais serão cada vez mais uma realidade. Uma triste realidade...  

Quem suja, paga!

Abraço da Zona Franca  

O pior é que é mais barato pagar por poluir do que pagar para não poluir, como no caso dos filtros de chaminés das fábricas que são caríssimos.. o que é uma multita pequena esporadicamente?

Infelizmente a consciência ambiental não paga esses custos :( quem os pagará somos nós, e mais cedo do que achamos, a julgar pela quantidade de desastres naturais que estão a acontecer nos últimos tempos.  

É este o mundo em que vivemos... tremendamente injusto!  
Enviar um comentário

«Inicial