sexta-feira, setembro 28, 2007

5º melhor treinador....

Apesar de não termos conseguido atingir o objectivo de alcançar 1 vitória, Tomaz Morais foi considerado (pelo menos para Thomas Castaignede, colunista do The Guardian) o 5º melhor treinador do mundial de Rugby. Realmente já estou enjoado de elogios, ainda por cima quando eles são estrangeiros...

No futebol, Matt Dickinson, do The Times, coloca Mourinho como o 16º melhor treinador da história e Scolari como o 18º. Mais "portugueses" só Bobby Robson no 35º lugar.

O The Independent aventa uma da hipótese para o despedimento de José Mourinho. Arrogante, quem?

quinta-feira, setembro 27, 2007

O Mundo ao contrário

As decisões que o país pode ou não tomar são menos importantes do que uma peça da "cultura"...
Não há maneira como descalçar esta bota. Mas manter a pedra no sapato e fazer de conta que ela não está lá é bem pior (http://sic.sapo.pt/online/noticias/pais/Nota+da+Direccao+de+Informacao.htm).


Ditadura!

São apenas mais dois casos:
A SportTv "obrigou" a TvTuga a não divulgar os links para ver desporto, através de sites estrangeiros.
O ministro da saúde quer "obrigar" (através do aumento de vagas) a grande maioria dos recém licenciados portugueses a escolherem medicina familiar (clinica geral).

Onde está o direito à escolha?

Comentários:

Quanto à primeira afirmação estou de acordo. Quanto à segunda... Será que queremos mais cardiologistas quando já temos suficientes e precisamos é de médicos de família? Em que medida é esta situação diferente daquela em que vários estudantes não podem ser professores de História porque os cursos fecharam?  

Pois é mas se não estamos numa ditadura procuram-se as razões porque todos escolhem cardiologia e afins e tenta-se encontrar alternativas e criar incentivos para que outras especialidades sejam escolhidas.

Recordo o modelo inglês, por exemplo em que os GP (clinicos gerais) têm "mais poder", têm objectivos para cumprir, uma acção mais abrangente (inglobando pequena cirurgia), entre outras coisas. mesmo assim a procura por esta especialidade não era muita o que levou o governo a aumentar os salários dos GP's e mais tarde para "compensar" o horário.

O que acontece é que em Inglaterra as pessoas escolhem o rumo que querem dar à sua vida enquanto que por cá somos empurrados para o rumo que querem dar à nossa vida.

Agora onde será que há democracia e liberdade de escolha e onde estará a ditadura?  

Mas osso, é por causa dessa política tão democrática que o NHS está de rastos e sem dinheiro. Há casos de GPs a ganhar 400 mil euros por ano!
Concordo que alguma coisa tenha que ser feita. Dar mais poder ao clínicos gerais, etc mas não podemos andar a gastar balúrdios a formar um médico com uma especialização para a qual não precisamos! E, já que falaste no sistema Britânico, sabias que por terras de Sua Majestada há quotas para entrar em especialidades? Especialidades como endocrinologia até doutoramento requerem, tanta é a competição!
Somos um país pobre e pequeno. Vamos gastar dinheiro onde é preciso e se for necessário, actualizar os papeis de cada médico!  

O sproblemas do NHS não passam apenas pelos salários. Em agosto, por exemplo, eles perdem rios de dinheiro com os turistas. pois por lá, ao contrário de cá, o serviço de saúde é completamente gratuíto.

Em relação às cotas eu sou fortemente a favor delas. Desse modo as pessoas vão adquirindo conhecimentos e diferenciação antes mesmo de entrarem na especialidade que desejam. Caso não o façam não conseguem entrar. Ao invés por cá faz-se 1 exame e se tens melhor nota do que os outros (o que é bastante relativo, tanto pode ser um 90 e tal como um 70 e tal) escolhes o que queres ou deixas-te guiar pelo que dá €€€. Considero-o um mau critério e não estimula o procura pela investigação, ....  
Enviar um comentário

«Inicial

Há quem erre...

... e assuma o erro. Foi o que aconteceu com Duarte Gomes, árbitro do jogo Estrela Amadora- Benfica.
Apesar de não colocar a equipa da Amadora na próxima fase, ajuda à credibilidade e à noção de que também o árbitro tem o direito ao erro.

quarta-feira, setembro 26, 2007

Monopólio

A SportTv abusa da sua posição e dos seus contractos.
A cada domingo que passa não existe qualquer programa tipo "Domingo Desportivo", em que seja possível ver os resumos dos jogos do fim de semana. Além de não haver esse programa num canal aberto, a SportTv e a TvCabo boicotam todas as investidas na área do desporto.

O último atacado foi o site Tv Tuga (comunicado). Infelizmente quem perde é a população.

Foi isto e muito mais

Obrigado por toda a vossa dedicação, todo o querer e esperemos que em 2011 haja mais.


Ainda somos Amadores

Ontem ficou mais do que provado que Portugal tem uma grande selecção de Rugby. Pena é que não há tempo para treinar, nem jogos mais competitivos. No jogo contra a Roménia a nossa selecção esteve sempre na frente, até aos últimos 7 minutos. A primeira parte foi completamente dominada pelos Lobos e o resultado ao intervalo (7-0) mostrava isso mesmo.
Contudo a segunda parte foi bem diferente, começando por ser menos espectacular e muito mais física. Este último factor levou a que, com em jogos passados, os últimos 20 minutos fossem decisivos para o desenrolar final do resultado. As forças não foram suficientes, o banco também não abundava em soluções o que levou a Roménia a passar para a frente do marcador aos 73 minutos, altura em que venciamos por 10-7. Foi como morrer na praia, os Lobos mereciam esta vitória por todo o Mundial que fizeram.
Parabéns Lobos, parabéns Rugby, parabéns torcedores, ... e espero vir a dizer parabéns Portugal (mas só quando as infraestruturas e a aposta noutras modalidades que não o futebol forem feitas).

PS: Rugby não é Futebol, como tal o artigo do Jogo de hoje é no mínimo despropositado. No rugby não se contestam as decisões do árbitro. Não ouvimos nenhum jogador nacional ou o seleccionador a fazê-lo, como tal deixem também os jkornalistas essas críticas. Os árbitros também têm o direito ao erro! Não façam deles os bodes espiatórios do dia a dia. Se um jogador falha um golo de baliza aberta é castigado? Então porque se pedem castigos para os erros dos árbitros?

terça-feira, setembro 25, 2007

"Burros" que escrevem

Apesar das mais diversas origem, que já vão além fronteiras, dos elogios endereçados à nossa selecção de Rugby há quem os considere despropositados. Será que o sr João Miguel Tavares seria capaz de abdicar da sua evolução proficional por amor ao desporto e à pátria?
Lamentavelmente este jornalista sustenta as suas bases em argumentos como a classe social dos jogadores. Será que o Ronaldo por ter sido pobre tem mais mérito do que estes jogadores que pelo facto de serem de ums classe social superior apenas demonstram que: têm amor ao desporto que praticam; têm espírito de sacrifício; tiveram que investir em vários caminhos ao longo da sua vida;... Digo-lhe só que o Costinha saiu, ao que se diz, de Moscovo por não querer limpar as suas chuteiras...
Quanto aos objectivos lembro que Portugal gostaria de vencer um jogo neste Mundial e que esse jogo se desenrola hoje. Que contra os "All Blacks" queriam uma diferença inferior a 100 pontos (108-13, objectivo conseguido!).
Mas isto dos elogios deve alterar o ego a muita gente. Pois quando uma equipa que tinha perdido por 80-0 (ou qualquer coisa do género) contra a Itália e num novo confronto é derrotada por 31-5 a sensação de vitória não está já ali ao virar da esquina (principalmente quando o avolumar do resultado apenas ocorreu nos últimos minutos).

Será que a selecção de futebol, paga a peso de ouro, recebe tantas críticas?

Para finalizar só gostaria de desejar boa sorte aos Lobos e que saiam do campo sem mais uma gota de suor no corpo e, se possível, uma grande vitória (que inundaria os jornais do dia seguinte e ao que parece calaria muita gente com inveja).

Comentários:

A propósito de críticas - "...capaz de abdicar da sua evolução proficional por amor ao desporto..."

Proficional???!!!  
Enviar um comentário

«Inicial

Desinformação jornalistica

Na sequência do post aqui escrito ontem verifiquei que não só o Público mantêm a designação de Birmânia para o actual Myanmar. Aqui deixo referências ao JN e ao DN.
Apesar de ter enviado uma exposição ao jornal que critiquei ontem a sua edição de hoje mantém o erro, como aqui se pode verificar.

segunda-feira, setembro 24, 2007

Ficção vs Realidade

Há alguns anos vi um filme, que teria sido realizado nos anos 90, no qual um mulçumano procurava fazer um atentado no metropolitano de New York. Certo é que em 2001 um atentado terrorista ocorreu naquela cidade. Algum tempo decorrido um outro no "Tube" de London.
Ben Affleck adiou a estreia, em Inglaterra, do filme Gone Baby Gone, por si realizado, devido às semelhanças que este apresenta com o caso de Madeleine McCann. Estas sobreposições dos 2 casos (sendo um de ficção) não param de aumentar, principalmente agora que a família contrata uma equipa para prosseguir as buscas da sua filha.

Comentários:

Ora aí estão casos em que a ficção se antecipa à realidade.  
Enviar um comentário

«Inicial

A ignorância do "Público"

A actualização geográfica do Jornal Público deixa muito a desejar. Hoje pode ler-se naquele jornal uma notícia intitulada "Freiras budistas juntaram-se aos monges birmaneses para participar na maior manifestação dos últimos 20 anos".
Pois bem como se pode ver no Wikipedia a antiga Birmânia é, actualmente, denominada por Myanmar.

Comentários:

O Publico, fiel à sua posição pró-americana, resolveu seguir a posição dos Estados Unidos e do Reino Unido que não aceitam a alteração do nome do país de Birmania (Burma) para Myanmar. Tudo isto porque estes países (que se estão marimbando para o resto do mundo) não reconhecem autoridade à junta militar de Myanmar autoridade para o fazer. Não sei se também notam que o mesmo jornal chama Falkland às Malvinas.  
Enviar um comentário

«Inicial

sábado, setembro 22, 2007

Proteger a camada de Ozono

Segundo o Público mais de 200 países assinaram um acordo para proteger a camada de Ozono. Neles estão incluidos o EUA.
Será que é para cumprir? Ou este é mais um Quioto?

Comentários:

Esperemos que seja um protocolo sério e que todos os países se empenhem em respeitar. Creio que a única razão pela qual os EUA assinaram o protocolo foi porque sabem que quem tem mais a perder, neste momento são as superpotências emergentes, como a Índia e a China, e assim podem "cortar-lhes as pernas".  

Lamento que Sócrates procure muito a afirmação internacional quando em Portugal não se vêm medidas para defender o ambiente...  
Enviar um comentário

«Inicial

Bye Bye José!

Só hoje consigo lamentar a saída milionário de José Mourinho do Chelsea, perante o choque que me causou.
Já ninguém tem o seus emprego seguro, por mais competente que seja. Estamos num Mundo em que o dinheiro é muito mais valioso que as pessoas. Não tardará a altura em que a pessoa, como ser, será completamente menosprezada e as máquinas e os milhões imperarão...

Visão pessimista para o nosso futuro...

PS: que futuro para o Chelsea que defronta já amanhã o Man United?
PS2: quem consegue ter psicologia suficiente para recompor uma equipa destroçada como esta terá ficado?

quarta-feira, setembro 19, 2007

Champions League

O Porto foi o único a conseguir um resultado menos mau, ao empatar com o Liverpool. Isto porque o SLB perdeu em Milão com o AC e o Sporting sofreu um golo do Man Utd, sem que tenham obtido qualquer tento.
Apesar de o Porto ter tido um ascendente muito grande sobre o Liverpool no estádio as opiniões eram quase todas em sentido da penalização do treinador azul e branco. Mas para contrariar tais treinadores de bancada deixo aqui uma afirmação do jornal inglês The Times.
Liverpool were hugely grateful for their 1-1 draw, away to FC Porto.


Aproveito esta oportunidade para desejar boa sorte aos nossos pequenos da taça UEFA, que na sua maioria (excepto o quase grande Braga) têm tarefas hercúleas.

Educação

Ouvi hoje a ministra da educação a dizer que o chumbo de um aluno é não só factor de exclusão do mesmo, como também é mau para ele, para o professor para a escola e para o país.
Questiono-me se será melhor um aluno que não atinge os objectivos mínimos seja aprovado ou se tenha que atingir esses tais objectivos predefinidos? O que será melhor para o país?

Outra das afirmações que me deixou incrédulo é o número de candidatos ao ensino superior, o que para a srª ministra demonstra um incremento do final do ensino secundário com sucesso, ser uma prova do não facilitismo por parte do Governo. Demagogia pura! O facilitismo verifica-se a nível dos exames nacionais. Se estes são fáceis então mais alunos concluem o ensino secundário e podem tentar a sua sorte no superior (será que lá irão ficar muito tempo?).

Para concluir e demonstrar a "brincadeira" que é a educação em Portugal gostaria de deixar apenas 2 exemplos:
1. os estabelecimentos de ensino privados iniciaram as suas aulas 1 ou 2 semanas antes da grande maioria das escolas públicas;
2. que tal iniciar um ano lectivo com 1h30m de Estudo Acompanhado? Estudar o quê? É assim que os alunos vão aprender a estudar? Esses tempos até poderiam ter muito interesse mas se os professores exigissem dos alunos, se houvesse os velhinhos TPC's, etc, etc.

É nestas alturas que, mesmo sabendo pouco, penso para os meus botões:
"devia aparecer um novo Salazar, uma pessoa que AMASSE Portugal e quisesse um povo culto, educado, civilizado, etc...

Comentários:

Um Salazar é que era! Alguém que não permitisse que quem escreve "comcluem" terminasse o 9º ano, quanto mais uma licenciatura!
Se há coisa que o Salazar lutava era por um povo culto e civilizado... Ele sabia que qualquer pessoa culta e civilizada não o suportaria a ele, ao seu regime, às suas ideias e às suas políticas.  

obrigado pela correcção.  

Não foi o Salazar que anulou a abertura da maior parte das Univesidades que foram criadas depois do 20 de Abril? Dizer que o Salazar queria um povo educado, civilizado e culto é uma de duas coisas: 1 - cegueira ou 2 - ignorância.

Que mau exemplo para um post tão bom...  
Enviar um comentário

«Inicial

terça-feira, setembro 18, 2007

O advogado de Salazar

Tendo nascido após o 25 de Abril as únicas coisas que sei de Salazar são:
1. era um monstro, um tirano, ...;
2. foi responsável pela maior pelo maior crescimento económico que o nosso país já viveu;
3. baseava a sua política em 3 pontos: família, escola e religião.

Nunca tendo compreendido os ataques tão cerrados ao seu nome, mesmo após a sua morte, achei por bem ler um artigo publicado no jornal Sol. Nesta, com o mesmo título deste post, é entrevistado Jaime Nogueira Pinto, "apresentador" da biografia do estadista no programa "Os Grandes Portugueses".

Tenho admiração e respeito, principalmente pela forma como Salazar conduziu o país, com grande pragmatismo e grande coerência. Simpatia não, porque não era um
homem que despertasse grandes simpatias.

O regime actual (25 de Abril) foi trazido por um golpe militar tal e qual como foi imposto o Estado Novo (28 de Maio). Assim chamar tirano a Salazar foi uma maneira de legitimizar um poder, imposto, e que também deixou(a) muito a desejar.

Há ainda quem fale em atraso do país. Dirante o Estado Novo crescemos como "pequenos tigres asiáticos", atingindo as taxas de crescimento mais altas de sempre.

A paixão de Salazar era Portugal. Apesar de não ter família próxima, nem apaixonadas, nem amigos e desprendendo-se até das suas irmãs a sua grande preocupação era manter o país unido e independente.

Salazar era muito marcado pela ideia do Império. Como modelos tinha homens como Infante D Henrique e o Rei D João II. Acreditava que, sem as colónias, Portugal era demasiado pequeno para poder manter-se independente e acabaria por dissolver-se na Espanha.

Mais de 30 anos depois da perda das colónias pensa que a anexação se está a consumar? ...penso que não há esse risco. Portugal é o país com as fronteiras mais antigas da Europa. Isso faz com que haja um sentimento nacional muito forte enraizado. Na classe política também não vejo ninguém que defenda a união com Espanha...Agora devo reconhecer que do ponto de vista de perda de centros de decisão isso está a acontecer.

De realce é o desconforto evidenciado pela apresentadora do programa "Os Grandes Portugueses" a quando do anúncio do vencedor. Pior do que esse mal estar é o facto de terem sido produzidos DVD's, com avultados custos, de cada um dos finalistas e nenhum se encontrar à venda (eu confesso que compraria alguns, entre eles o de Aristides de Souza Mendes).

Agora quer se goste, quer não Salazar faz parte da História de Portugal. Acho que os seus actos valem mais do que muitas palavras e devemos promover as suas atitudes positivas e corrigir as negativas (que também as houve e foram bastantes). O que não é correcto é dizer:
"Ele tomoou o poder se assalto!". O que é certo é que o seu sucessor também saiu por assalto.
"Ai com ele não havia liberdade de expressão!". Como era a liberdade de expressão, noutros países, nesse tempo? (eu não sei responder a esta questão!) E agora, mais de 30 anos depois, que liberdade de expressão é que temos? Será que é necessário voltar a falar no Charrua? Já alguém viu a qualidade da nossa comunicação social?


Não!
Não, concordo em dizer mal porque sim. É verdade que Salazar tinha muitos defeitos mas também teve virtudes. Como já disse, vamos aproveitar estas e corrigir os seus defeitos.


Comentários:

Caro Osso,

Quanto à liberdade de expressão da altura em que Salazar posso dizer-lhe o seguinte: era parecida com a das outras ditaduras suas contemporãneas. Nas democracias havia liberdade de expressão.
Quanto ao resto tomo a liberdade de lhe deixar ficar o link para dois textos que escrevi sobre o antigo ditador: http://guardafiscal.blogspot.com/2007/02/salazar-na-memria-um-mau-estadista.html

http://guardafiscal.blogspot.com/2007/02/salazar-na-histria-um-mau-estadista.html

PS: Quanto à posição(e imparcialidade) de Jaime Nogueira Pinto aconselho a leitura deste texto:
http://nonas-nonas.blogspot.com/2007/03/salazar-visto-por-jaime-nogueira-pinto.html  

Max Mortner:
Apesar de não ter lido os links que indicou na totalidade tenho algumas coisas a acrescentar:
1. o facto de haver outras ditaduras na Europa naquela altura revela que o atraso de que se fala não é assim tão significativo;
2. o facto de terem morrido 9000 portugueses na guerra colonial é menos relevante que as mortes americanos no iraque, por ser um combate que ocorre num tempo mais avançado. e a miséria da descolonização também é culpa de Salazar ou dos donos da república, como em tempos Manuel Alegre os denominou...
3. a miséria e fome que reporta, será que não existem hoje em dia também? claro que não serão num estado tão acentuado devido à industrialização (que se deve principalmente ao desenrolar do tempo e não tanto ao crescimento do país).  

Caro Osso,
Mais uma vez sou obrigado a discordar...

1-"o facto de haver outras ditaduras na Europa naquela altura revela que o atraso de que se fala não é assim tão significativo" - Havia aqui ao lado a Espanha, cujo o lider, tendo a noção que não era interno conseguiu, no meio de uma guerra civil e de alguns desejos autonómicos, ter a lucidez de deixar um líder aos espanhois para o substituir quando morresse: esse líder era alguém que historicamente dizia algo aos espanhois e era alguém capaz de manter alguma coesão nacional naquele conjunto de nações a que chamamos Espanha - falo de D.Juan Carlos. Aqui em Portugal o "nosso" Salazar julgou que ia durar para sempre (aos 80 anos quando caiu da cadeira não tinha nomeado sucessor - Marcello era um dos delfins de Salazar mas não foi escolhido pelo velho ditador).
Outras ditaduras Europeias da época?Sei-lhe dizer que a maior parte das ditaduras de direita caíram em 1945 e quanto as comunistas a miséria estava à vista...

2-Para mim o facto de terem morrido 9000 portugueses é relevante e a comparação com o Iraque é um pouco despropositada. Podemos é comparar o caso português ao caso britânico: ao poderoso e populoso império britânico "bastou" a perda de 7000 vidas numa das suas colónias(penso que foi o Quénia) para iniciar uma descolonização pacifica e atempada em África. Digo atempada porque quando nos anos 40 começou a descolonização britânica de África (e a inserção das suas antigas colónias na Commonwealth) ainda havia soldados dispostos a irem para as colónias para assegurarem os processos de descolonização - em Portugal, em 1974 o exército estava derrotado e desanimado e simplesmente não obedeceria a uma ordem que o obrigasse a ficar nas colónias.
Mais uma vez Salazar, com a sua ideia ultrapassada de Império (e logo ele que nem rei era...) mostrou a sua falta de visão para com as colónias (que nem sequer conhecia).
3- É claro que existe hoje em dia fome e miséria. Mas como é óbvio é muito menor do que no Estado Novo.
Quanto à industrialização lembre-se que foi um fenómeno que surgiu no século XVIII. Portugal, para não variar, tentou industrializar-se muito mais tarde e falhou. A culpa, neste caso, não foi de Salazar mas o cooperativismo do Estado Novo só serviu, como é lógico, para piorar a situação.

Cumprimentos,
Mortner  

"cujo o lider, tendo a noção que não era interno conseguiu,"

Queria dizer ETERNO em vez de interno...  

Como inicio o post, nasci após o 25 de Abril e como tal não posso comparar a miséria de então com a actual. Mas convém realçar que, não estando a tentar idolatrar Salazar, as comparações que foram feitas quando se passaram 30 anos da queda do estado novo foram no mínimo ridiculas. Argumentos com: agora quase todos têm telefone; etc... são no mínimo descabidos.

Em termos de comparação com as ditaduras regentes à época convém que as políticas de Salazar não seriam assim tão distintas. É verdade que Franco procurou um sucessor, o filho daquele que considerou um mau governante para o seu país. Mas actualmente em Espanha é o Rei é todo poderoso (acabando por ser uma ditadura sempre que ele quiser... no extremo).
No que às colónias diz respeito temos que ver que Espanha é muitas vezes maior que Portugal e que Inglaterra, apesar de ser uma ilha, está muito mais próxima do centro da Europa do que nós. Além disso os Ingleses sempre estiveram na vanguarda científica e económica. O que lhes permitiu avanços significativos.

Sem as colónias Portugal ficou, quiçá, demasiado pequeno para poder evoluir (o suficiente para se manter na média europeia). Mas este problema das colónia é exclusivo de Salazar, que as tentou manter a todo o custo, mas também dos seus vindouros, que as abandonaram por completo. Deste modo, actualmente são poucos os benefícios que tiramos das nossas ex-colónias, sendo estas dos países mais corruptos do mundo.

O meu propósito com este post era o de resumidamente dizer que:
Salazar, como todos os homens, tinha defiteos mas também virtudes. Não as devemos esquecer devido aos seus defeitos. Nem devemos dizer que determinada coisa foi é mal feita porque Salazar também a fez ou foi ele que a fez.
Considero estas atitudes lamentáveis e anti-desenvolvimento, já que para evoluir é necessário ter em atenção os actos bons e maus praticados no passado...  
Enviar um comentário

«Inicial

domingo, setembro 16, 2007

Fio da Navalha

Em Portugal a grande maioria dos projectos têm uma visão muito curta e são extremamente dependentes de resultados. Ao contrário do que ocorre noutros países não são realizadas apostas de fundo e em que se espere mais do que pouco tempo para ver os frutos. O futebol é um bom exemplo disso mesmo. Até à 4ª jornada da liga já se foram 3 treinadores ...

sábado, setembro 15, 2007

Prova de Centralismo

Foi neste artigo do Público que encontrei mais provas do centralismo que sinto no meu país.
os 10 concelhos com maior poder de compra são:

Lisboa
Oeiras (que por outras palavras, é Lisboa)
Porto (devem ser os históricos que fazem subir bastante a média)
Cascais (quase Lisboa)
Faro (os Ingleses também conta?)
Alcochete (também quase Lisboa)
Albufeira (mais ingleses?)
Coimbra (finalmente alguma coisa diferente, mas não muito)
Funchal (afinal o Alberto João [ainda] tem dinheiro...)
Montijo (outra vez Lisboa ou quase, já chega não?).

Onde está, por exemplo, uma cidade com Braga, que tem crescido imenso nos últimos anos?
E no interior há poder de compra? Nem em Viseu, terra natal de Sócrates?
Realmente está na altura de dizer basta(!), a tanta vassalagem e tanto esforço (de impostos e não só) para pura e simplesmente desenvolver a capital.

Não quero apenas uma capital, não quero um deserto!
Quero um país, quero Portugal!

Comentários:

vai nascer na Amadora o maior centro comercial da Europa.
E ainda...
"A Direcção-Geral da Empresa autorizou a abertura de seis novos centros comerciais em Portugal, tendo emitido já as respectivas licenças. Dos seis shoppings, que terão uma área bruta locável (ABL) total de 82,8 mil metros quadrados, três são no Seixal. São eles o Centro Comercial Carrefour, na Amora, com 27 mil metros quadrados; o Fórum Barreiro, com 13,9 mil metros quadrados e o Centro Comercial Leclerc, também na Amora, com 7,9 mil metros quadrados de ABL. A zona norte do país vai receber o Fórum Castelo Branco, com 14,7 mil metros quadrados de ABL; o Millenium Plaza/ Porto Plaza, com 11,1 mil metros quadrados e o Centro Comercial Leclerc, em Braga, com 8,2 mil metros quadrados" noticia Sapo  

Claudette Guevara, não creio que Castelo Branco seja no Norte do país, será mais no centro não? Agora se houver uma visão reducionista como a do ministro Mário Lino, Castelo Branco é bem lá no Norte, tal como Setúbal é o deserto...sendo que Portugal é apenas Lisboa.

Shoppings e mais Shoppings...
o que será Portugal daqui a 10 anos? Um país centro comercial?
Cada vez mais se deixa de investir nas cidades e na história. Cada vez mais as pessoas vivem sem "ar" e sempre cobertas.

Deixem os centros comerciais e invistam esse dinheiro em parques e espaços onde se possa praticar desporto. Isso sim aumenta a qualidade de vida. Agora os centro comerciais?  
Enviar um comentário

«Inicial

sexta-feira, setembro 14, 2007

Hino Nacional II

Aqui está o video que tanto procurei.
Digam lá que a publicidade da Sagres não é um atentado ao país?


quinta-feira, setembro 13, 2007

Scolari

Depois do murro (http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Desporto/Interior.aspx?content_id=55277&dossier=Selec%E7%F5es) que Scolari diz que não deu no jogador sérvio, ontem, medidas devem ser tomadas!
Nunca defendi Scolari. Por outro lado, sempre o ataquei, principalmente por não concordar com as suas escolhas. No entanto, os seus méritos têm que ser reconhecidos. Nunca houve tanta união em volta da selecção. Poucas vezes estávamos em fases finais, agora só pensamos em ganhar...
Numa altura em que o final de contracto deste treinador brasileiro se aproxima do seu final, e mesmo após a sua atitude e os últimos resultados, é importante renovar o seu vínculo à equipa das quinas. Contudo uma sanção deve ser aplicada ao seleccionador, tal como os jogadores jovens que estiveram no Canadá foram punidos.

Comentários:

concordo em pleno com o que disse. também critiquei o scolari pelas opções, mas nesta altura é necessário o apoio a toda a selecção a bem do apuramento.
(claro está que deve ser castigado na medida do que fez, e não do que pintaram que ele fez)
(na frança a imprensa fez uma campanha que tanto limpou a imagem do zidane, que cheguei a pensar que o materrazi ia ser catigado com mais jogos).

Saudações  
Enviar um comentário

«Inicial

quarta-feira, setembro 12, 2007

Hino Nacional

É uma pena não conseguir passar aqui o video com "os Lobos" a entoarem o hino Nacional. Foi um momento completamente arrepiante...

Mas qual o significado do hino nacional?
Ainda hoje antes do jogo da selecção de futebol vi um anúncio da Sagres, em que o hino da nação é utilizado.

Será que não há limites???

Comentários:

Desculpe a invasão ao comentar mas é que pensei exactamente a mesma coisa...
Parabéns pelo blog que sigo em silêncio.
Até breve!  

pode invadir sempre que quiser e seguir com maior participação, afinal é com a partilha de ideias que todos aprendemos mais um bocado e podemos "evoluir".  

Este comentário foi removido pelo autor.  
Enviar um comentário

«Inicial

segunda-feira, setembro 10, 2007

Madeleine

Não gosto de estar a falar deste assunto, mas com tanto que se fala sobre torna-se quase que inevitável.
Não vou aqui fazer referência a qualquer jornal nacional, já que nestes os novos argumentos surgem a cada segundo que passa. Vou antes aproveitar algumas passagens do diário conservador inglês, The Times, que me parecem muito a propósito.
We may think we know more than that, but we don’t, and no matter how often the
story is repeated and the sole fact is spun, all we are reading is speculation.

Esta é uma frase que resume muita da informação aventada pela imprensa.
Contudo parece haver algumas questões importantes.

Comentários:

..... Miudas muito giras aqui ;-)

www.pnet.pt  
Enviar um comentário

«Inicial

Obesidade infantil

Esta é a primeira vez que leio que a custódia duma criança é retirada aos pais por incapacidade de a "alimentar correctamente".
Será um exemplo a seguir?

domingo, setembro 09, 2007

Lobos

Mais uns guerreiros portugueses que entrarão em competição hoje, pela primeira vez, no campeonato do Mundo. Contudo estes não ganham milhões para estarem no campo. Para ali chegarem muito teve que lhes sair do esforço próprio e pelo amor a uma modalidade quase desconhecida em Portugal.

O grande esforço destes bravos "Lobos" merece mais atenção para as competições nacionais de Rugby.

Hoje, às 17h (na Sport TV2):


vs


Uma vitória só que seja e é como sermos campeões do Mundo.
Força Lobos!

sábado, setembro 08, 2007

Doping

John Terry toma injecções todos os dias para poder jogar com um dedo do pé partido.

Este é o título de uma notícia do jornal desportivo online, MaisFutebol.
Após ter lido o artigo considero a situação do jogador, em termos médicos, lamentável. Sou defensor de que esta atitude deveria ser considerada dopagem. O facto de ser o prórpio jogador a solicitar esta atitude reforça os argumentos que apoiam o doping e atenua, se bem que apenas ligeiramente, a responsabilidade médica.


Não gostaria de terminar sem fazer referência a mais uma "calinada" jornalistica. o que continua a evidenciar a falta de rigor jornalistico e de revisão dos artigos, para além da má informação, existente em Portugal. Aqui deixo uma citação para justificar a minha indignação:
...faço gelo durante quinze minutos para diminuir a infecção...

e corrijo o que está mal:
infecção deve ser lida como inflamação!

Comentários:

Exactamente! Ainda hoje vi o Novak Djokovic, no US Open a pedir assistência médica numa das paragens para mudança de court. E não é que o fisioterapeuta lhe dá uns comprimidos para ele tomar?
Depois há o outro lado da questão, quais serão os limites? Será lícito usar um spray anti-inflamatório quando um jogador cai para que a inflamação não piore (ou regrida)? Sei que estou a ir a extremos mas uma proibição desse tipo teria que estar salvaguardada destes "loopholes"...  
Enviar um comentário

«Inicial

sexta-feira, setembro 07, 2007

Edifícios

Uns procuram mais ecologia e edifícios eficientes energeticamente. Outros apenas lutam pelo consumismo (em áreas onde o dinheiro é cada vez menos).
Para quando usar a cabeça e procurar qualidade de vida para os portugueses? Será que é agradável andar pela rua com tanto terrorismo arquitetónico e tanta mescla de estilos. Cá eu não gosto...

Tortura

Porque não fecha a prisão de Guantanamo? A prática de actos médicos não éticos pode ser uma das muitas razões. Pelo menos, mais de 260 médicos de diversas nacionalidades repudiam, publicamente, estas atitudes...

Qual será a diferença entre a Alemanha Nazi e estes Estados Unidos? (já só faltam uns judeus, ou se calhar nem tanto; talvez só meio judeu...)

quinta-feira, setembro 06, 2007

Lisboa e nada mais

Aproveitando este post do Pedro Morgado deixo aqui mais alguns indicadores de negligência nacional (excepto Lisboa) por parte da comunicação social.
Recorrendo ao fenómeno futebolístico é bem visível que às equipas de Lisboa é dada muito mais cortesia do que às restantes. Para evidenciar este facto relato aqui umas declarações de Rui Moreira, referentes ao último jogo do FCPorto frente à União Desportiva de Leira, no programa Trio de Ataque (RTPN):
Toda a comunicação social veio dizer que o segundo golo do Porto, após o centro de Bruno alves com a bola fora do campo, decidiu o jogo. Contudo apenas o resumo da RTPN mostrou o golo mal anulado, logo aos 3 minutos de jogo, ao FCPorto. Se esse golo tivesse sido validado, então o jogo já estaria decidido mesmo antes do intervalo.

Esta descriminação é feita todos os fins de semana. Mas com ela, muito mais do que o FCPorto, sofrem todos os outros clubes que procuram crescer. Sofre também uma região inteira sempre negligenciada...

quarta-feira, setembro 05, 2007

Não à resignação

O cancro não é o fim.
Este, Mrs Jane Tomlinson, é um exemplo de vida e luta. Por vezes 6 meses podem ser transformados em 6 anos (ou mais). E o tempo, o que é?, se não aquilo que fazemos com ele...

Comentários:

Enquanto há vida, há esperança. Nalguns casos não há resignação que nos valha. Mas é sempre bom ouvir notícias destas.  
Enviar um comentário

«Inicial

terça-feira, setembro 04, 2007

Assaltos

Depois de ontem o assalto ao BPI, em Viseu, hoje houve quem "levantasse" dinheiro do BANIF, em Alfena.

Este é um tema que começa a merecer cada vez mais reflexão:
Não deve ser por acaso que estes incidentes ocorrem quase sempre fora da capital.
Serão cometidos por imigrantes, portugueses ou terroristas?
Importa pois seleccionar os imigrantes (mesmo os da UE podem ser "seleccionados").
Se forem portugueses quais serão as razões que os levam a tomar tal atitude?
E terroristas? Porquê aqui???

Uma coisa é certa, segurança não abunda...

Comentários:

Seleccionar imigrantes? Já parece uma proposta do Paulo Portas... Não te esqueças que há muita gente Portuguesa a fazer assaltos a bancos. E a esses, o que lhes fazemos?  

Sei que é uma ideia que pode parecer um pouco estúpida e xenófoba. Contudo o que gostaria de ver era o meu país a lutar pela excelência.
Utilizando uma comparação gostaria de ver Portugal a ter possibilidade de seleccionar quem quer cá como por exemplo os ingleses seleccionam os jogadores a quem dar autorização de trabalho.
Gostava de ver os criminosos repatriados, como os canadianaos fazem com os portugueses que lá cometem crimes.
Não quero que o meu país venha a ser um desterro da europa...  
Enviar um comentário

«Inicial

Greves

Por cá se há 1 greve convocada logo se procura descobrir uns serviços mínimos. Agora imaginem Londres 72h sem metro... quais serviços mínimos???

É uma pequena diferença entre democracia e hipocrisia.

segunda-feira, setembro 03, 2007

As dúvidas de Madre Teresa

"Na minha própria alma, sinto a terrível dor da sua perda. Sinto que Deus não me
quer, que Deus não é um Deus e que Ele não existe realmente"

É com estas palavras, atribuidas a Madre Teresa de Calcutá, que o DN no dia 25/08 inicia uma notícia sobre a suposta crise de fé desta santa.
Hoje, o mesmo jornal, revela que o papa admite as dúvidas atribuídas ao "Silêncio de Deus".

Mas com tanta pobreza em seu redor, quiçá aumentando a cada dia que passa, não teria dúvidas da existência de um Deus? Também me questiono sobre a Sua existência e por muito menos...

Curioso é que segundo o artigo do DN mais recente revela:
"As cartas que originaram a obra foram escritas ao longo de 66 anos pela freira
e enviadas a colegas e superiores. Só agora vieram a público. Apesar de a
religiosa ter deixado a indicação de que as queria ver destruídas."

no mínimo será uma falta de respeito...

sábado, setembro 01, 2007

Uma história incrível!