sexta-feira, abril 15, 2005

Soberano... mas nem tanto!

Diz-se que em Democracia o Povo é soberano... ou talvez não seja.
Parece que é intenção do Governo, aprovar um diploma para limitação do número de mandatos de cargos políticos. Na minha opinião é uma das maiores aberrações que já ouvi... É a própria negação do princípio democrático, onde todos são livres de se candidatar e todos são livres (e têm o dever) de eleger!
Bem sei que há políticos de carreira, que estão nos mesmos cargos há mais de 20 anos... Bem sei que há muito quem seja contra isso. E então??? Pergunto eu.

Será que nas Empresas Privadas, também vão limitar o número de mandatos do seu Presidente?
Quem é que elege os políticos para estes cargos? Não é o povo? Então, se o povo não quer que os políticos fiquem lá 20 anos, que votem noutros. Agora impedir um autarca (por exemplo), que está a fazer um bom trabalho de continuar na Presidência da Câmara e colocar lá um inútil, só porque o primeiro já lá está há muito tempo, é um absurdo!

Talvez assim possa haver mais uns lugares para uns boys... E não me venham com o argumento do favorecimento do clientelismo, porque esta limitação não muda nada disso... Se quiserem põem lá o primo ou o sobrinho e vai dar tudo ao mesmo... O que é preciso é responsabilização, esse palavrão a que os portugueses são tão avessos!!!

Comentários:

Responsabilização? Em Portugal? O que é isso? Responsabilidade, Onde? Quem? Digam, Digam que é para eu não ir para lá!  

Agora a sério.

Para haver resposabilização é necessário haver responsáveis, e lamentavelmente por terras de D. Sebastião a culpa, tirando "a dos médicos" ;) ainda morre solteira.

Enfim!  

também não percebi que ideia é essa!
se bem que o rotativismo seja bom, mesmo em relação aos politicos; mas a verdade é que não vejo fundamento para a medida a ser tomada...
acima de tudo, e com razão, o que faz falta é responsabilidade!!  

Não vejo bem qual seja o problema. Já existe limitação de pessoas elegíveis. Por exemplo: só de pode candidatar a PR quem tem mais de 35 anos e o PR só pode fazer 2 mandatos consecutivos.
Um cadastro não limpo pode não permitir a candidatura de determinada pessoa, assim como a abstenção em eleições prévias.
A democracia é também isto mesmo: regras, que podem "limitar" de algum modo a "liberdade" de qualquer um de nós.
E sinceramente, acho a medida boa, especialmente em relação a autarcas. Provavelmente conheces mal a realidade de minicipios pequenos, em que e existencia de um presidente com 12, 15 anos de mandato, de poder, de relações, condiciona (e muito) a liberdade de opção das pessoas  

vivemos em democracia?
SE democracia, fôr cada um ter o direito de não cumprir uma lei porque não foi o seu partido que a publicou, então tá!
SE fôr os representantes do povo (os eleitos) acharem e decretarem que democracia não é monarquia, e que os representantes do povo (aqueles que este elege) só o podem ser por X anos, então tá!
SE fôr o mesmo mas porque não se quer que o povo escolha os que acha serem os melhores e os re-elegam, então não tá!
SE fôr para arejar os ditos, então não é preciso lei, mas sim bom senso POLÍTICO.  

A nossa democracia reside na politica do Factor C ... acho que nao preciso de acrescentar mais nada  

Sinceramente tenho dúvidas/incertezas.

Por um lado percebo que não faz sentido limitar que alguém se candidate só porque já teve alguns madatos. Por outro lado a prática mostra-me que o povo vota demasiado na cara, o poder continuado gera abusos de poder e a larga maioria dos eleitos para cargos executivos foram melhor no primeiro mandato que nos seguintes. Além disso a lei só limita para 12 anos o que me parece um prazo bastante longo.

Eu sei que com isto estou a passar um atestado de incapacidade ao povo português na sua globalidade, mas por acaso muitas vezes penso que temos um grande défice educacional para nos podermos considerar verdadeiramente democráticos.  
Enviar um comentário

«Inicial