sábado, outubro 08, 2005

Política (muito) mediocre

Para meu espanto na 4ª feira (5 de Outubro, feriado) de manhã estive algum tempo no trânsito. Mas não era tráfego normal.
Havia fila mas não por serem muitos carros.
Havia barulho das buzinas mas não de protesto pela paragem.
Havia o roncar dos motores.
Havia muitas outras coisas que encontramos no trânsito do dia a dia.
Mas o mais anormal era a alegria que as pessoas tinham empunhando umas quantas bandeiras, que passeavam (nos seus automóveis) pelas ruas da cidade. O seu regozijo em causar poluição sonora, isto para na falar da atmosférica.

Enquanto estava ali parado pensava:
É para isto que pagamos impostos? Ou eles (partidos políticos) compram a gasolina mais barata do que nós (povo)?
Será que eles (políticos) não olham além do seu prórpio umbigo? Não se preocupam com as populações? Com o ambiente?
Será que Portugal ficou preso no século XX? Será que as caravanas são uma boa maneira de mostrar o que um candidato vai fazer?
Porque estão sempre muitas camionetas estacionadas perto dos comícios?


Depois de todas estas questões surgiu-me uma última:

"Sou eu que sou maluco, ou estúpido, ou o dinheiro (para gasolina, camionetas, ...), tempo (de caravanas, ...) e latim (falar para quem já sabe o que vai ouvir,...) da política portuguesa estão a ser mal empregues?"


Hoje quando olho para o jornal vejo esta notícia! (http://jn.sapo.pt/2005/10/07/em_foco/despesas_feitas_campanha_bateram_tod.html)
(não tenho palavras! só me apetece dizer que fico farto de Portugal, da corrupção, do atraso de vida,...)

Comentários:

Julgo que estes números não são reais. Antigamente como havia limites bastante restritos os partidos só declaram uma percentagem do que realmente gastavam nas campanhas. Como nesta os limites aumentaram e o estado paga quase metade (como é que isto é possível??) eles declaram tudo.
Por mim os partidos deveriam gastar o que quisessem, desde qque depois pudessem explicar de onde veo esse dinheiro, mas o estado pagaria apenas cerca de 300€ (este número é discutivel)a cada candidatura que obtesse mais que 1000 votos por exemplo.  

Há anos li um livro, que, apesar dos seus 150 anos (mais coisa menos coisa) se mantém muito actual: A Queda de um Anjo - CCB no seu melhor.

Já então e política portuguesa se traduzia por um provincialismo bacoco com ares de elitismo e dandismo. O desperdício, a corrupção, os interesses, já então minavam a credibilidade dos políticos. E de então para cá, parece que nada foi feito para acabar com isso. Povo de brandos costumes... Volta Zé Povinho e faz um "manguito" a esta corja de ignorantes!!!  
Enviar um comentário

«Inicial