quinta-feira, janeiro 20, 2005

UE elogia reformas mas pede resultados

Ainda no Diário Económico pode ler-se que: "Portugal adoptou muitas reformas em 2004, reconhecem os ministros das Finanças, mas a União Europeia pede agora determinação das autoridades na implementação destas medidas e apela a mais esforços para assegurar a sustentabilidade das Finanças Públicas."

Isto tudo feito por dois governos apelidados de incompetentes, inconsequentes, trapalhões e cobardes... não é nada mau!

Segundo a UE Portugal deve:
  • Assegurar a sustentabilidade de longo prazo das finanças públicas e continuar as reformas das pensões, do sistema de saúde e da segurança social.
  • Intensificar medidas que aumentem a produtividade e supervisionar a implementação das iniciativas já levadas a cabo.
  • Continuar a melhorar o ambiente empresarial através de um reforço e um controlo apertado das medidas já tomadas.
  • Acelerar a transposição de directivas no mercado interno.

Comentários:

Caro Mad,

Atenção! Uma coisa são as políticas de direita do Governo do Dr. José Manuel Barroso - com as quais se é livre de concordar ou não - e outra são as palhaçadas diárias do Governo do Dr. Santana Lopes nos últimos 5 meses.

Acho que é para todos consensual que estes dois últimos governos foram dois governos com intenção reformista. Os resultados das ditas reformas é que são mais questionáveis.

Concordas que existem, decerto, motivos que justifiquem que o Povo Português mostre - como eu acredito que vai mostrar - o quanto discorda dos Ministros das Finanças da UE, ao eleger o novo Governo em Fevereiro.

Está visto que nem eu nem tu somos eleitorado flutuante. Mas o que deves pensar é: o que é que terá levado as pessoas que deram a maioria ao Governo de Coligação a mudar de opinião tão depressa? e quais foram as camadas da sociedade que não se sentiram prejudicadas com as reformas do Governo?

Sem querer retirar mérito aos Governos da Coligação (algum, por certo, merecido), decerto também percebes que os Ministros das Finanças da UE, que se reunem em Bruxelas 3 dias por ano, não são propriamente a entidade mais isenta e com mais conhecimento de causa para tirar conclusões sobre as reformas políticas portuguesas. Sobretudo quando tiram meia dúzia de conclusões LaPalissianas e vazias de conteúdo (claro que isto é a minha opinião...).

A UE é amiga! A malta ****-se toda para cumprir o Pacto de Estabilidade e Crescimento e depois a Manuela e o Bagão vão lá votar para não penalizar a França e a Alemanha por não quererem fazer o mesmo. É Justo!

Ah, e já agora, vens logo ao Jantar?  
Enviar um comentário

«Inicial